Sunday, May 09, 2010

Travesseiro

Fico ali deitado perto de você. Uso a sua barriga como o meu travesseiro. Você fica mexendo no meu cabelo, entrelaçando seus dedos em um vai-e-vem gostoso. Desce sua mão, como quem não quer nada, para a minha nuca.
Fico ali sentindo o toque macio dos seus dedos. E, de repente, não preciso de mais nada. Não falo, não penso e todas as minhas ansiedades desaparecem. 
Queria que você fosse o meu travesseiro por todas as noites. 

André Marçal

2 comments:

Filipe de Paiva said...

Caraca, dá até pra sentir o travesseiro. Não o objeto, mas a pessoa.

Muito bom!

Juliana said...

Tão simples e belo...
André, sua sensibilidade é admirável.